A actual maioria socialista da Câmara Municipal de Viana do Castelo quis aproveitar o novo volume de verbas que foi disponibilizado por José Sócrates para a nova sociedade polis, a POLIS LITORAL NORTE, mas agora o Governo deixou claro que tal sociedade não visa obras de fachada e «as que apenas visam o embelezamento do território não são prioritárias e, como tal, vão ficar a aguardar por melhores dias». Ou seja, fica sem qualquer verba a empreitada de requalificação do Núcleo de Santiago da Barra foi colocada a concurso pela Polis Litoral Norte onde município queria gastar mais de 3 milhões de euros numa obra que «permitirá (???) a requalificação da zona sul do Campo da Agonia, toda a zona envolvente ao forte de Santiago da Barra, a eliminação do estacionamento à superfície, o sistema de entrada de água no fosso do forte, repavimentação, arranjos exteriores e infra-estruturação».

 



Jorge Fão, o deputado socialista eleito por Viana do Castelo, aproveitou a presença da Ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território na Comissão do Ambiente, Ordenamento do Território e Poder Local para a questionar pessoalmente sobre o ponto de situação relativamente aos programas Polis Litoral, um dos quais abrange a zona costeira de Viana do Castelo. Com uma lucidez espantosa que contraria o poder socialista instalado, o deputado do PS recordou que a preservação do património natural esteve na base do lançamento, em 2008 deste programa. Como tal, e depois de ter sido anunciada a sua suspensão para reavaliação, Jorge Fão quis saber se eles estão ou não suspensos, total ou parcialmente, e o que vai fazer a tutela em relação a cada um deles.

 

Na resposta, Assunção Cristas reafirmou o que já tinha dito, ou seja, que o seu Ministério está a avaliar todas as ações e associar a cada uma delas um grau de prioridade, que tem a ver com o envolvimento financeiro do Estado. Está também atualmente a ser avaliada a diminuição do Capital Social das 4 sociedades Polis Litoral, dependente apenas de alguns constrangimentos legais para que se torne efetiva. Assunção Cristas diz que foram analisados todos os Polis do país e definidas as prioridades, que passam essencialmente pelo desenvolvimento de ações que visem a defesa da costa e a segurança de pessoas e bens. As que apenas visam o embelezamento do território não são prioritárias e, como tal, vão ficar a aguardar por melhores dias.

 

Recorde-se que a Maioria Socialista que governa o município de Viana do Castelo tem preferido dizer que a prioridade do dinheiro que havia sido disponibilizado à sociedade Vianapolis é a demolilção de um edifício em prefeito estado de conservação e agora queria mais uns milhões para uma intervenção de recuperação que é, essa sim, verdadeiramente urgente.

Anúncios